Monday, July 20, 2015

Arca - Exposição Conjunta

Arca é uma proposta artística que junta duas exposições de dois artistas piauienses em ascensão: exposição 花屋FLOWERSHOPPE, de Albert Crimson e TAKING STEPS, de Henrique VIlarins. A abertura da exposição será dia 24 de julho as 19:00h!

___________________________________________________________________________________________

HENRIQUE VILARINS

Publicitário por formação e entusiasta das artes plástica , Henrique Vilarins encontrou na colagem a válvula de escape para o dia a dia cada vez mais corrido das grandes cidades. O que no início era apenas um hobby. Tomou fôlego com criticas construtivas de amigos e artistas conhecidos. Bebendo de fontes como o grafite, a arte urbana, o surrealismo e por vezes fazendo uso de humor negro os seus trabalhos são um caledoscópio de sensações. Suas obras são compostas de uma pluralidade de formas, imagens e cores que se sobrepõe  e se completam . Na sua primeira exposição individual , intitulada “TAKING STEPS”, Henrique Vilarins expõe o trabalho de quase um ano de pesquisa e produção, levando o espectador a um mergulho à alma complexa e caledoscópica do artista.


________________________________________________________________________________

Albert Crimson

Criando um misto de cultura asiática com surrealismo pop, Albert Crimson é um entusiasta da representação do espectro negativo das emoções humanas, apresentando pinturas e desenhos repletos de elementos naturais, desde árvores e flores a cervos e outros animais, ilustrando como a natureza em si guarda relações com a nossa estranha e, muitas vezes, apática maneira de viver. Albert é seduzido pela maneira que as pessoas lidam com a vida e suas emoções, e como elas são capazes de liberar energias poderosas. Essas, são capazes de transformar o ambiente ao nosso redor, criando situações diferentes que são interessantes aos afiados olhos artísticos.



_______________________________________________________________________________





Monday, July 06, 2015

Personagens famosos da cultura pop também envelhecem!

O ilustrador Alex Solis imaginou isso e  passou essa ideia para uma série  muito bacana e engraçada!

Darth Vader, Minions, Flash e nem mesmo o Super Mario foi poupado!  











Wednesday, May 13, 2015

DELA PRA MIM

O Sonho

No inicio era partir
Solidão por conformismo
Muita dor
Por não conhecer o que pertencia
Enganando sentimentos e desejos
Consolidando o mesmo que qualquer coisa
Como segundos antes do final
Mas eu, agora, se tivesse somente uma opção
Seria sua
Agora, eu me guardo e me doo
Sentimento livre para me e te salvar
Sem pecado maior
Só agora, são tuas as minhas razões
Eu me importo e te convenço

O sonho que veio incólume
Tão fantástico que me leva, vagamente, à ideia de insanidade
Eu vou
Semelhante a um drama
Esperançosamente diferente
O sonho veio
Em corpo e alma
Vencendo diariamente o meu luto
Sem esforços e sem lágrimas

E em auto-negação, eu sei
Tu és meu melhor sonho
E eu, apenas uma balbúrdia

O fim


(Por Rafaela Oliveira)
____________________________________________

obs:. Quer saber mais sobre a Rafa (meu amor) e as poesia dela, da uma olha na página dela no Poetas do Piauí.  Clica ai : Rafaela Oliveira

Tuesday, May 05, 2015

ÓCIO, IDEIAS, CABEÇA A MIL E “QUASE” UM CONTO

SOFIA


O despertador acordou Sofia às 6h30, como todas as segundas-feiras. Mas Sofia demora a levantar da cama. Exausta pela insônia que lhe persegue há dias, despertar é sempre uma guerra.  Enquanto puxa o lençol para esconder o rosto do sol, que já insiste em entrar pela janela, Sofia pensa na solidão daquele apartamento de dois quartos, que divide com algumas baratas e uma pseudo amiga imaginária da qual não sabe o nome e falta-lhe coragem de perguntar.
Sentada no canto da cama, ainda sonolenta e olhando fixamente para a porta do banheiro entreaberta, Sofia imagina de várias maneiras como percorrer os cinco passos até o banheiro. Com o peso da tristeza inexplicável sobre os seus ombros e a dor da solidão machucando o peito, Sofia percorre os infinitos passos que separam sua cama do banheiro. Ao entrar no apertado e abafado cômodo, um cheiro fétido de mofo invade seus pulmões. No box, Sofia se arrepia com o fio da água gelado que escorre do chuveiro quebrado. O banho , logo cedo, nunca dura mais que cinco minutos. Se enxugando na toalha, que um dia foi vermelha, Sofia reflete sobre o artigo que considera insignificante , e que está escrevendo para a revista Orquídeas e Jardins. Na frente do espelho do banheiro com a cara lavada e o cabelo oleoso, Sofia prepara-se para a self diária. Com o sorriso amarelo e triste de canto de boca e a hashtag #partiutrampo, Sofia posta a self no Instagram. Com o aplicativo ainda aberto, Sofia vê as últimas fotos postadas, todas sem comentários. O fardo da solidão se faz presente também virtualmente, e com os olhos marejados, Sofia  entra no quarto ao lado do banheiro que insiste em chamar de  homeoffice”.
Parada há alguns segundos, que parecem uma eternidade, na frente da escrivaninha, Sofia vira-se para o lado esquerdo e percebe a presença da sua amiga sentada no chão ao lado da porta. Ela nunca havia prestado atenção nesse ser, mas sabia da sua existência, em sua cabeça, e convivia pacificamente com ela.  Dessa vez, Sofia observou calmamente sua amiga, para talvez se reconhecer nela. E viu uma figura baixa, andrógina, extremamente pálida, com os olhos negros como uma noite sem lua, o cabelo preto um pouco abaixo da orelha, um piercing no supercílio esquerdo, e notou que ela usava um jeans escuro surrado, uma camiseta regata branca, os pés descalços e que lia SANDMAN. Sofia se assustou quando o ser pálido, sentado no chão de pernas cruzadas, abre um sorriso para ela. O sorriso rápido e enigmático desconserta Sofia. Que logo senta-se na cadeira de plástico branco, com uma das pernas trincada, e liga o notebook para tentar finalizar o artigo que precisa entregar, por e-mail, no fim da tarde.
O vento frio e úmido sobra por entre a janela. As gotas de uma  fraca chuva respingam sobre a velha escrivaninha. Sofia levanta-se para fechar a janela. Enquanto desliza a janela, Sofia observa as pessoas na parada de ônibus em frente ao seu prédio. Ela gosta de observar aquelas pessoas pela manhã, e quase sempre são as mesmas. Sofia observa por algum tempo o senhor elegante com sua calça de linho e seu sapato bicolor lendo o jornal, uma voluptuosa mulher de meia idade que se espreme em uma blusa de onça e um adolescente cheio de espinhas com um olhar vidrado no celular e que ri sozinho. 
Sentada sobre a cadeira branca, Sofia olha fixamente para o cursor do mouse piscando incessantemente  no canto direito da tela. Ela percebe que com incomensurável esforço a primeira página, do artigo,  foi preenchida com palavras. Lembra-se que ainda faltam 3 laudas. Suas ideias sobre estrume, esterco, substrato e fertilizantes se esvaem. Sofia olha para o celular, e entre mensagens de texto e chamadas perdidas do seu chefe, se dá conta que faltam trinta minutos para as 17h.
Uma falta de ar repentina invade Sofia. Uma dor no braço esquerdo, que a incomoda há três dias, torna-se insuportável e parece rasgar o seu peito. Lutando para respirar e agonizando com a dor no peito, Sofia despenca da cadeira e cai olhando a chuva escorrer pela janela.

-       Já faz uma semana que ela não sai pra comprar comida.
-       Como a senhora sabe?
-    É que ela sempre trazia brigadeiro pra mim. Eu moro aqui do lado, sabe. E fui eu que chamei vocês da polícia. É que já tá fedendo, moço.
-       Cabo Pereira,  pode arrombar a porta.

Sofia tenta abrir os olhos, mas um raio de luz na janela encandeia sua visão.

-     Não tenha medo, Sofia. Eu só vim ajudar você. No começo é sempre assim, a luz incomoda mais do que devia.
-       Como assim?
-       Calma, feche os olhos e abra lentamente.

Sofia fez o que a voz pediu. A voz era calma e singela. E ela apenas confiou na voz. Ao abrir os olhos, Sofia se viu desfigurada, inchada, apenas um pedaço de carne caído no chão onde moscas e baratas se debatiam para achar um espaço ainda intacto no corpo que jazia no chão daquele homeoffice. Sofia olhou para o lado e reconheceu a amiga, de onde vinha a calma e singela voz.

-       O que aconteceu? Eu não entendo.
-       Você morreu, Sofia! Há dias isso estava acontecendo e eu estava apenas acompanhando. Agora você vai ser encontrada, e vamos seguir.

Sofia ouvia ao longe as batidas na porta e as falas desconexas.

-       E como eu morri?
-       De tédio , Sofia. Você morreu de tédio! 
     


EXPOSIÇÃO "TAKING STEPS"



TRABALHOS EM COLAGEM DA EXPOSIÇÃO "TAKING STEPS" 

A exposição foi realizada dentro do projeto Salve Rainha (RAINHA DO OLHAR), e aconteceu debaixo da Ponte JK dia 26/04.





__________________________________________________

Fotos da exposição:






TRABALHOS À VENDA, R$70, IMPRESSOS EM PAPEL COUCHE GRAMATURA 280G, SEM MOLDURA. TRATAR hvilarins@gmail.com

Wednesday, September 18, 2013

BATMAN E O MENSALÃO


VT EMOCIONANTE DA GUINNESS

Esse é o tipo de comercial que faz você para pra pensar. Com uma mensagem simples e direta, a Guinness emociona na media certa.  O VT mostra um grupo de amigos jogando basquete em cadeira de rodas, e demonstra que a amizade de todos é maior que a deficiência de um deles.








Tuesday, January 15, 2013

Uma grande homenagem a TOY STORY




Com uma ideia aparentemente maluca na cabeça, Jonason Pauley com 17 anos na época e Jesse Perrotta com 18, decidiram refilmar a animação Toy Story, de 1995, utilizando apenas brinquedos de verdade.  

Depois de uma longa batalha, no total de três anos, os adolescentes americanos conseguiram finalizar o projeto  Live Action Toy Story. A Pixar, estudio que criou Andy e seus amigos, reconheceu a grande homenagem e autorizou a publicação do video no youtube.  Vale o Play! 

Thursday, January 10, 2013

Coca-Cola resgata a campanha Ursos Polares


Voltando ao passado, Coca-Cola resgata a campanha Ursos Polares que foi sucesso na década de 90. Com um ótimo filme de 6 minutos p/ internet e um VT de 30” pra TV que mostra a integração entre a família de ursos, a campanha Ursos Polares promete ser o conceito da Coca-Cola pra 2013.






LinkWithin